7.1.10

 

COMO SEMPRE

 

 

MUITO AIROSA A NOSSA GRACITA! 

 

 

Gracita à direita no dia em que completava 20 anos de idade.Com os amigos João Alexandre e Maria do Rosário (Nana).

  

A GRACITA E OS POBRES

 

Em oito de Fevereiro ela partia

Para a Pátria do Céu, mártir Gracita,

Causou grande pesar essa desdita...

De luto ficou Góis, desde esse dia.

 

Nessa bondosa alma brilharia

Algo de santa, porque em voz bonita

Dizia ao ver carcaça mais fraquita:

- Oh, quem a fez, vendê-la é que devia.

 

Contam que a Graça ao pai dizia isto:

- Pão de ontem eu não vendo, o que lhe sobre

Dê aos pobres,que mais dá Jesus Cristo...

 

Talvez isso dissesse em gesto nobre,

Como a Rainha Santa, que p'lo visto...

Tudo fez p'ra matar a fome ao pobre.

 

Góis, 1985 - Rodrigues Dias

Com lágrimas de singela recordação e saudade, a lembrança da minha dor. Que nesse mundo maravilhoso onde estás, nunca nos esqueças.

Da amiga de sempre

                                Guida Dias

                     SAUDADES DE AMOR

Fazias agora vinte e quatro anos,

Alegres no Céu, na Terra saudosa,

Nós inda cá estamos no mundo de enganos

E tu no Senhor, oh minha branca rosa.

 

Chorámos de pena por cá te não ver.

Mas eu sei que vives com outras donzelas

E Jesus também com Maria a fazer

O bolinho doce com flores e velas.

 

Como em outros anos eu não esqueci

Um dia tão qu´rido e comovedor.

Se passaram meses e eu te não vi

Bem triste te mando Saudades de Amor!

 

Com cravos e pranto da tia Clarisse- 18/06/1985

                           

                                                 NO PAIS SANTO

Tive a ocasião de contactar com a Graça Maria em Setembro de 1984. Como sempre, alegre e simpática a atender  os clientes na Padaria de seu pai.

A sua partida para o Além, foi bem dolorosa para si, familiares e amigos, que nós compartilhamos também.

Mas, lembremo-nos de que o mundo é breve e enganador. Gracita foi conquistar o País Santo, onde vivem os justos, na companhia de Jesus e Maria.

Singela homenagem de Isaura Nogueira de Carvalho.

Carcavelos - Lisboa

 

               GRACITA ENTRE OS ELEITOS DO SENHOR

 

Porque era uma jovem muito querida, Deus escolheu-a para a sua corte celestial. Ali, eu sei que está feliz, entre os eleitos do Senhor e junto de minha irmã Ilda que deixou o mundo também no fulgor da mocidade.

Deus escreve direito por linhas tortas e se permitiu a interrupção de uma vida em flor cheia de graça e de encanto, foi para seu bem. Só que, nos está vedado conhecer o maravilhoso intento do Senhor.

A despedida na terra foi triste, mas vai ser alegre o dia do reencontro da Graça com os seus familiares e amigos, no Paraíso.

 

Com saudade da prima Maria Celeste Campos Nogueira e família.

Carcavelos- Lisboa.

 

DEIXEI-TE PARTIR

Gracita! Será que nunca mais te verei? Nem contigo poderei estar?

Deixei-te partir, sem nada poder fazer.

Na Terra jamais contigo poderei compartilhar aqueles dias felizes e amargos, horas alegres e tristes, que juntas ainda passámos. Partiste para um mundo desconhecido e lindo talvez! Hoje, eu só posso lembrar o teu rosto que sempre demonstrou felicidade e simpatia.

A amiga que sempre te recordará até os dias se tornarem também escuros.

Com saudade de Zá Alvarinhas - Góis

LIBERTAÇÃO

Deus tem no Além diferentes moradas

No seu reino aonde a Bendita Luz,

Confirma o que foi predito por Jesus

As almas têm paz, quando ali são chegadas.

 

Havendo partido de tanta ilusão,

Para entrar naquela verdadeira vida,

Nos leva a esquecer toda a mágoa sofrida,

Louvando o Senhor pela Libertação.

 

Não é poesia, crendice, é verdade

Que através do tempo, tem sido negada,

A vida na Terra é expiação dada,

Até que se chegue à perfeita humanidade.

 

Libertados aqueles que vão para o Além

E de lá contemplam com piedade a Terra,

Crueldade e fome, peste, horror de guerra,

Da que se aproxima, não escapa ninguém.

 

GRAÇA, louva a Deus Sua caridade,

A que se opõe nosso amor e razão.

E tu só ficaste presa ao coração

Aos pais e amigos em Eterna Saudade!

 

José de Moura Paulo - Folques

LUZ NA ETERNIDADE 

Andavas contente a idealizar

Um lar Cristão digno, de amor e ternura,

Andavas alegre e a delinear

Com muita esperança, a vida futura.

 

Mas olha, na Terra, oh meiga donzela

Há muita contenda e é vão o amor;

Jesus com carinho, minha santa bela

Deu-te no Céu lindo, ventura maior.

 

Que mundo de enganos, oh doce Gracita

Jamais tenhas pena dele nem saudade!

Se Deus te levou, oh Dália bonita,

Foi, sim, para seres feliz na Eternidade!

 

Inesquecível saudade da amiga Iolanda . V. N. do Ceira

                                     

                                       GRACITA

Recordarei con saudade/ O teu sorriso fagueiro,

E a tua boa amizade,/ Quer me deste por inteiro.

 

Não fui íntima amiga, sei,/Fui mais uma "conhecida"

Mas nunca te esquecerei,/ Ao longo de toda a vida.

 

Deixate-nos muito só/Foi Deus que te quis levar,

Nem com o tempo este dó,/ Vou conseguir apagar,

 

Partiste para o Além/ E que triste despedida!

Que Deus te compense bem/ O teu sofrimento em vida.

 

Tina Neves - Cadafaz - Góis

                                      

                               PERDI UMA AMIGA

Ofegante de sofrimento, a Gracita queria, por vezes chorar, lan;ando dos seus olhos cerrados, lagrimas de desespero, aflição e saudade dos que a rodeavam.

Brotando soluços de piedade e esperança. Esperança de voltar a viver no seu mundo... Esperança de voltar a rever os seus amigos, aqueles que apelavam a sua sobrevivência... Esperança de voltar a apertar uma mão  amiga, terna, carinhosa, com amor...

Uma jovem que sofria os erros da medicina!...

Todos que a rodeavam, lamentavam o seu estado, inconsciente, sem recuperação.

Todos confundiam cada cada vez mais, cada dia que passava... O desespero com a esperança, com a saudade da Gracita, tal como era, alegre, sempre pronta a ajudar o próximo, aquele que precisava!...

Todos tentavam transferir a dor daquela inocente jovem para cada um, pensando conseguir desanuviar o seu sofrimento...

Tudo isso era inevitável, sem resposta positiva, sem resultado. Pobre Gracita, tanto medo, tanto receio antes de submeter a tal intervenção...

Logo teve força de vontade, logo escolheu o médico, logo escolheu a morte!...

Alguém a incentivou... Ela cedeu...

De tal maneira que tendo-se tornado fácil, sem consequências, nem perigo... Mas tudo correu mal...

Passando por ela a nuvem negra que a levou, a afastar-se de tudo e de todos...

Foi naquele dia 8 de Fevereiro que perdi um elo da minha longa corrente de amigos sinceros.

Horrenda e destruidora morte que veio desmoronar parte do meu castelo de felicidade, perdendo uma amiga sincera, mas esta para sempre, partindo para o mundo do invisível... Pobre Gracita!

 

Com saudade da amiga Dina Teresa Neves - Coimbra

                                    

                      GRAÇA - UMA AMIGA PERDIDA

Não podemos deixar de lembrar também aqui um nome que não mais se apaga da nossa memória e se chamou GRAÇA MARIA. Um nome digno que ficará eternamente unido à Liga dos Amigos de Bordeiro, da qual foi sócia nº 67, amiga dedicada e grande impulsionadora em todos os seus planos.

Prestimoso elemento da Liga, em nada queria ficar alheia às lides desta Casa.

Até mesmo em Góis, nos jogos nocturnos da sua e nossa equipa, gritava com todo o seu entusiasmo. - Bordeiro! Bordeiro! Fosse qual fosse o resultado.

Era verdadeiramente Bordeirense, por laços maternos! Bordeiro contava a sério com ela nas horas amargas e felizes da sua vida! Sempre de mãos dadas, tudo ajudava a resolver!

Quem se não lembra da Graça, com a sua alegre juventude? Quem se não lembra de a ver airosa na sua bicicleta com as primas e amigas em convívio, dando largas à sua natural alegria?

Por todos, amigos velhos e crianças sem distinção de idade e condição social, ela repartia palavras de carinho e amizade.

Que Deus te proteja no mundo em que vives agora pelos teus feitos na terra como SANTA.

Com inolvidável saudade de todos os amigos da Liga dos Amigos de Bordeiro.

       Adelino Lopes Pinto - Bordeiro

          LEMBRANDO A MINHA AMIGA GRAÇA

A vida pode conter muitas injustiças, mas maior injustiça que a morte, não é possível conceber e muito menos aceitar, quando se é jovem e se tem vontade de viver, quando se tem a cabeça repleta de sonhos e ilusões que nunca se chegaram a concretizar. Naqueles que "a" conheceram de perto é impossível não ficar um sentimento amargo de revolta, de dor e de saudade.

Graça Bandeira - Quinta do moínho - Bordeiro

(Jovem há pouco licenciada pela Universidade de Coimbra)

                                               

                          A GRAÇA - QUE BORDEIRO ILUMINOU!

 

Foste uma estrela brilhante/ Que Bordeiro iluminou...

De sorriso deslumbrante,/Tão cedo Deus te levou,

 

Na Primavera da Vida/ E com olhar de esperança,

Foi bem triste a despedida/Que gravamos na lembrança.

 

Pensou levar-te Jesus/ E ser de anjos companheira,

Por seres esp'rito de luz/ E boa à Sua maneira.

 

Com saudade de Fernando Neves Simões e esposa - Bordeiro

                                    

                                               GRAÇA

Partiste. Foi duro, muito duro perder-te, mas eu compreendo que para ti foi melhor, pois o teu sofrimento era muito grande a já nada havia a fazer.

Custou-me muito aceitar o desenlace e às vezes penso viver um sonho. Para mim tu não morreste, tu viverás sempre no meu coração.

A tua imagem jamais se apagará da minha memória, pois recordar-te-ei com muita saudade.

Da prima e amiga Cândida Pascoal - Góis 

                                 

Morreu a Gracita! A flor fez-se Terra!

Floriu no jardim dos seus pais - mas vento agreste a tombou...

Não lhe pousou boca sedenta de beijos, em seu futuro jardim.

Alguém reparou? Naquela mortalha?

- Um lindo lençol de linho bordado a madressilva!

Sonhos, com ela partiam...

Morreu a Gracita! Passou tanto tempo, mas que vejo eu?!

 

Ali...Ali... Na sua supultura, floriu uma madresilva!

Junto um malmequer de oito pétalas

Quem deitaria a semente? Talvez fosse...

-JESUS -

Ofereço-te este lindo poema, oh moça que te não conheci. - Mas se gostavas de crianças e velhinhos, um dia nos vamos encontrar.

 João Custódio - Lisboa

Gracita, jamais poderei esquecer o teu olhar luminoso, numa expressão de verdadeira ternunra, que o Céu nos levou.

Comovo-me sempre ante o teu túmulo, quando ali vou, mais a Cláudia, depor cravos brancos a condizerem com a brancura e pureza da tua alma.

Muitas saudades da amiga

Ana Rute (Anita da Farmácia) - Góis

                                                

                                                    GRACITA

Será que tudo acabou/ No dia que tu partiste?

Talvez não.A dor ficou/ Dentro do coração triste.

 

Agora sonho contigo,/ Voltando-me para mim,

Vejo esse mundo sem p'rigo/ Só neste acontece assim.

 

Agora estou para aqui,/ Com saudade a meditar

No bem que te conheci/ E apetece-me chorar.

 

Numa lágrima eu vira/ Sinal de tanto sofrer.

Até parece mentira...E eu não consigo esquecer.

 

Da amiga e vizinha Maria Adelaide V. Coelho - Góis

                           

                                FORAM 23 ANOS

23 anos de amor, carinho e muita felicidade.

Querida GRACITA, sempre foste aquela amiga simpática, sincera e generosa...

Recordarei sempre aquele dia triste em que, entre soluços e lágrimas me despedi de ti.

Jamsis esquecerei o teu sorriso; jamais apagarei a tua lembrança de dentro de mim.

Com muita saudade de Isabel Matos - Góis

           NO REINO DE DEUS LEMBRA-TE DE NÓS

Sobre o drama da nossa estimada Gracita, preferia esquecê.lo, mas é facto que cada dia que passa, ele aviva mais a minha memória e retalha o meu coração cheio de pena.

  O nosso grupo de jovens de Góis e Bordeiro ficou mais empobrecido, desalentado e até desesperado.

  Moça alegre e sonhadora, saiu de Góis porque os especialistas de Coimbra lhe disseram que ela ficaria boa do seu braço se, se sujeitasse a uma operação relativamente simples, Feitas as análises e tiradas as radiografias precisas, ninguém a desencorajou...

Por isso ela entrou na tarde de 7-11.1984 no bloco operatório da Clínica de Santa Filomena, confiante. Manda a irmã comprar bolos e buscar umas fotografias, bolos que já não pode comer e fotografias que já não contemplou.

  A Gracita não acordou como se previa, e o seu anestesista saíra apressado da Clínica.

 Os colegas diziam: - esta situação normaliza, mas até hoje ninguém explicou o motivo do triste insucesso.

Três meses de penoso sofrimento, sem nos poder ver, falar e até apertar a nossa mão amiga.

Foi lembrado levá-la ao Estrangeiro, mas não havia ali tratamento possível para pôr o seu cérebro a funcionar. Feito um electroencefalograma, foi este mesmo observado em França, sabendo-se que ele revelava edema craneano, possivelmente devido a erro clínico.

A Graça Maria teve de partir no verdor dos anos, deixando-nos, nós os jovens entristecidos e horrorizados ante a tragédia, que vivemos ainda como um sonho negro.

Ela queria ficar com o seu braço direito melhor, para com ele ser útil e dar uma ajuda aos amigos. Pegar nas crianças à sua vontade e acariciá-las, enfim, ela desejava ter um braço eficiente que, ao longo da vida, não mais saísse do seu devido lugar.

Pobre Gracita! Que sorte lhe estava reservada, sem o merecer. Ainda o ano passado numa peregrinação a Fátima eu recordo com saudade, todo o seu entusiasmo e animação.No Cortejo de Oferendas a favor doa Bombeiros, realizado em Setembro de 1984, ela emprestou todo o empanhamento, para que o seu Bairro do  "Pé-Salgado" brilhasse entre os demais.

As pessoas da vila e arredores sentiram a sua falta, amável na Padria, donairosa na rua, e em casa jovial como alegre cotovia.

Jovem íntegra e de moral responsável, realçava nela a beleza da simplicidade.

Góis perdeu uma das suas melhores jovens e nós perdemos uma das mais dedicadas Amigas.

Ao curvar-me perante a sua recordação grata, te pedimos Gracita:

No Reino da Paz, no Reino do Amor e no Reino de Deus, onde deves estar,lembra-te dos jovens da tua Terra,

 

Homenagem de uma jovem amiga - 21.07-1985 - Góis

 

 

LEMBRANDO A GRACINHA

Convivi de perto com a Gracinha, quando ela frequentava o Ciclo Preparatório e eu ali trabalhava como cozinheira. Diferençava-a das suas companheiras, como menina simples e amorosa. Por vezes encontrava-a triste e chorosa, sem sabermos a causa da sua tristeza.

Durante os intervalos ela vinha à cozinha e repartia connosco dos bolos que trazia. Se nos via embaraçadas nos serviços, ajudava nas tarefas. Muitas vezes, com algumas colegas da turma, nos descacava as batatas, se a descascadeira se avariava.

A Gracinha morreu, mas o tempo que viveu, aproveitou-o a fazer amizades. No nosso coração viverá eternamente.

 

Com saudades e preces da velha amiga

Leontina Rosa . Góis - S. Paulo

                               

                   GRACINHA ERA MUITO MEIGUINHA

Ao receber no Brasil/Esta notícia dolente

Eu senti saudades mil/ E chorei amargamente.

 

Gracinha com quem brinquei/ E tinha perdido a vida.

Louca de pena lembrei/ A minha Amiga querida.

 

Em Portugal e de novo/ Senti a falta co'a mana,

Porque a Gracinha entre o povo/ Era meiguinha e "bacana".

 

Com um Adeus até ao Céu da Luciana Henriques - Góis - Brasil

<span style="fon

link do postPor canticosdabeira, às 12:20  comentar

 
mais sobre mim
Janeiro 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


arquivos
2012

2011

2010

2009

links
capas dos livros

CLIQUE PARA LER
Clique para ler


Clique para ler


Clique para ler


Clique para ler
blogs SAPO