17.7.12

 

 

         Ser mãe tal grandeça alcança

 

       Que até Deus supremo Bem,

 

       Quis ser no mundo criança

 

       E ter uma Mãe também

 

                

              (Dimas Lopes de Almeida)

 

 

 

 

                                     

 

 

 

 

                         DOR SEM MEDIDA

 

 

                            

             Ai mãe não sei dizer-te o que senti

 

             - Que a dor era tamanha e tão atroz

 

             Naquele instante grave em que te vi

 

             Aflita, ao pé de mim, perdendo a voz!

 

 

 

             Ninguém 'stava connosco!... Apenas nós!

 

             Uma ambulância logo requeri...

 

             Mas a Vida corria para a Foz

 

             E o socorro não vinha para ti!

 

 

 

O Doutor Zé Augusto, diligente,

 

Ainda quis salvar-te de repente...

 

Mas era tarde, mãe! Não foi capaz!...

 

 

 

...Vivi a hora mais penosa  e triste

 

Quando a Célia me disse que partiste

 

E Deus te deu guarida, Amor e Paz!

 

 

Clarisse -1998

 

 

link do postPor canticosdabeira, às 23:03  comentar

 

 

               Não digo o nome da minha

 

                   Fonte de amor e de fé:

 

                   Chamo-lhe "doce velhinha"

 

                   E ninguém sabe quem é.

 

 

                     (FRancisco Henriques)

 

                          Carinho e Amor

 

 

 

               MEU, DEUS,TRISTEZA

 

 

Meu Deus, que tristeza! Que casa vazia!

 

Parece que nela não mora ninguém!

 

Levaste-me Tudo... Levaste-me alguém

 

Que tanto me dava  e Nada pedia!...

 

 

 

Na terra era ela a melhor companhia

 

De todas as horas - no Mal e no Bem!-

 

Por isso ma deste, p'ra ser minha mãe,

 

E dar-me só mimos, amor e alegria!

 

 

 

Relíquia sagrada! Perfume de rosa!

 

Seu nome era jóia - por ser Preciosa -

 

A jóia mais cara, mais rara e mais nobre!

 

 

 

Embora velhinha, era ainda gestora...

 

Que valho, meu Deus, mas que valho eu agora

 

Se estou, nesto mundo, tão só e tão pobre?!...

 

 

Clarisse - 1998

 

                                           

link do postPor canticosdabeira, às 22:30  comentar

 

 

        Em criança fui Messias,

 

       Mas não nasci em Belém.

 

        Nascia todos os dias

 

        Nos olhos de minha Mãe!

 

             (Helena Luisa Coentro)

 

 

 eu te adolo demais

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  

 

 

                   

                  ESTÁTUA LINDA

 

 

Pensei que não podia ver-te assim

 

Qual estátua de mármore, gelada!...

 

Mas não! A minha rosa desmaiada,

 

Estava linda, linda até ao fim!

 

 

 

Quando a morte chegou,um querubim

 

Consigo te levou e de mão dada.

 

E disse:"Tens ainda outra morada,

 

Voa nas minhas asas de cetim"...

 

 

 

Eu sei que nesse instante lhe dirias:

 

-"Toca nas minhas mãos, vê que estão frias!,

 

Como hei-de aconchegar-me a ti, diz lá...?"

 

 

 

E o Anjo certamente terá dito:

 

"O corpo veste a Alma... e é finito,

 

E as mãos que lhe serviram ficam cá!..."

 

 

 

Clarisse Fev. 1998

link do postPor canticosdabeira, às 22:20  comentar

 

 

                        Para mim o maior bem

 

                   É ter Mãe. E bom seria

 

                   Que, em vez de um Dia da Mãe.

 

                   Houvesse Mãe dia-e dia

 

                     (Manuel Abrantes)

 

 

                                        

 

 

                                        

                            CINCO   RETRATOS

 

No quarto onde dormi sempre contigo,

 

Já não esperas nunca que eu regresse:

 

Mas quando eu vou à rua vais comigo

 

E que estás inda em casa me parece!...

 

 

 

Quando abro a nossa porta - o nossso abrigo -

 

A minh 'alma dorida entenebrece.

 

Se às memórias regresso... se investigo...

 

Apenas teu retrato me aparece!

 

 

 

São cinco os que cá tenho na mesinha:

 

Da prima, do Augusto, da Gracinha;

 

E o teu, querida mãe - como estás linda!

 

 

 

E há outra que Deus tem já lá no Céu:

 

Amiga que também muito sofreu

 

E é por todos lembranda - A nossa Arminda!

 

 

Clarisse Abril 1998

link do postPor canticosdabeira, às 22:10  comentar

 

 

                               Mar ondulado és qual Mãe

 

                         Cujo beijo fortalece!

 

                         Só que a onda vai e vem...

 

                         E a Mãe beija e...permanece!

 

                                       ( Cacilda Celso )

 

 

 

                            

 

                                              

                                EMIGRANTES

 

 Chamo por ti p´la nossa casa toda

 

 E tu não me respondes, mãe querida!

 

 Será que não consigo ser ouvida

 

 E a minha inquietação não se acomoda?!...

 

 

 

 Tanta gente me diz que a Vida é roda,

 

 Por me verem assim tão deprimida;

 

 Mas eu pensava, mãe, que a Flor da Vida

 

 Estava longe ainda desta poda...

 

 

 

 É certo que era grande a falta de ar;

 

 Mas sentada na sala, um dia antes

 

 Estiveste comigo a conversar.

 

 

 

 Tu sabes, mãe, nós somos emigrantes

 

 Com prazo estipulado de aqui estar...

 

 ...E quantos também partem inda infantes!?...

 

 Clarisse                   

link do postPor canticosdabeira, às 22:03  comentar

 

 

 

                      Ter Mãe é ter tudo ou nada

 

                           Ninguém explica o porquê,

 

                           Mas é fortuna sagrada

 

                           Que só perdendo-a se vê...

 

                              (Rodrigues Canedo) 

                                                                      

                                                

                         flor para uma flor

 

 

 

                  NOVENTA E CINCO ANOS

 

 

 

  Noventa e cinco anos!... Disse alguém

 

  Que Deus te concedeu vida bastante.

 

  Quase noventa e seis!... Foi emportante

 

  Mas eu não achei muito, minha mãe!

 

 

 

  Embora há muitos anos nada bem,

 

  Mantinhas mente sã e Fé constante:

 

  Mas que expressão bonita, insinuante,

 

  - Onde cabiam, mãe, bem mais que cem!

 

 

 

 Nessa manhá de dor e de emoções,

 

 Como quem faz a Deus mil orações,

 

 De hora a hora com mágoa me dizias:

 

 

 

 -" Clarisse, arranja alguém p«ra te ajudar

 

 Ou, se não for possível, um bom Lar

 

 Pois, filha estão já findos os meus dias,"

 

 Clarisse

link do postPor canticosdabeira, às 21:10  comentar

 

 

                                  A Mãe tem um valor real,

 

                           Tão grande riqueza, em suma,

 

                           Que Deus a cada mortal

 

                           Concedeu apenas uma...

 

 

                            (Ernesto Lopes Nunes)

 

 

                            n_blu033.gif (9160 bytes)

 

 

 

              A LUZ DO MEU CAMINHO

 

 

Já não brilha o luar que me encantava

 

E o sol não não tem a cor tão radiosa!...

 

Fugiu-me aquele estrela luminosa

 

Que tão suavemente me guiava...

 

 

 

Falta-me o puro ar que eu respirava

 

E ouvir a voz amiga e carinhosa

 

Que foi até ao fim. sentenciosa

 

E tão atentamente eu escutava.

 

 

 

Se Deus tem lá no Céu a minha "estrela"

 

De certeza que ainda por mim zela

 

Com amor que preservo na lembrança.

 

 

 

E há-de continuar a ser a luz

 

Do caminho que trilho sob a cruz

 

Desta saudade imensa que me cansa!

 

 

Clarisse -Março 1998 -

link do postPor canticosdabeira, às 21:00  comentar

                                                                           

 

                              Minha  Mãe já não a tenho,

 

                        Mas, antes de ir de partida,

 

                        Soube ensinar-me o tamanho

 

                        Das quatro letras da Vida.

 

    

                          (João baptista Coelho)

                       

                            bfly1BgWHT.gif (15811 bytes)

 

                          A LEI DIVINA 

 

 

A Lei Divina - a Morte! - não perdoa

 

E custa-nos a Vida passageira;

 

Mas se padecimento se amontoa,

 

Não poderia ser de outra maneira!

 

 

 

Viemos para honrar nossa carreira

 

E a Terra é um local onde a pessoa

 

Cultivando o Amor a vida inteira,

 

Terá de se esforçar para ser boa!

 

 

 

Eu penso, oh minha mãe, que bem cumpriste

 

O dever de Cristã; e que atingiste

 

Com a doença a purificação.

 

 

 

Pede por mim a Deus e, se puderes,

 

Vem muitas vezes cá p'ra me dizeres

 

Se já tens mais alegre o coração!

 

Clarisse - Abril 1998-

link do postPor canticosdabeira, às 20:30  comentar

 

 

                                  Palavra p'ra Mãe louvar,

 

                           Não vejo de igual valor;

 

                           Teria que se inventar

 

                           Superlativo de amor...

 

                         (Maria Helena Carneiro)                        

                                         

                                       

              

 

                   TEMPO DAS VIOLETAS

 

 

Foste num dia lindo, meu Amor,

 

Quando os Anjos entoam seus cantares,

 

Estão mais enfeitados os Altares

 

E o Céu tem mais encanto e tem mais cor!

 

 

 

Domingo foi o dia em que o Senhor

 

Escolheu minha mãe para voares

 

E para com Amigos te encontrares,

 

Terminando na Terra a tua dor!

 

 

 

Tempo das violetas são singelas,

 

A terra estava agora cheia delas

 

Talvez p'ra te prestarem homenagem...

 

 

 

Flores rôxas, da nossa simpatia,

 

Com elas suavizo a nostalgia

 

E perfumo, no quarto, a tua imagem!

 

Clarisse                                

link do postPor canticosdabeira, às 20:00  comentar

 

 

                                 Todas as mães serão santas,

 

                           Pois só transmitem Amor,

 

                           Mas entre tantas e tantas

 

                           A nossa é sempre a maior.

 

                      (Armando das Neves Marques)

 

 

                               

 

 

                                

                   VELHINHA

 

 

À minha mãe velhinha eu quero tanto!,

 

Bastante mais que à luz do meu olhar!

 

Se triste está, minh' alma põe-se em pranto

 

E não consegue, então, mais sossegar.

 

 

 

Por não ter violetas p'ra lhe dar,

 

Colhi lírios, que têm doce encanto;

 

Mas é tão pouco para a compensar

 

Pelo amor que me dá, tão puro e santo!

 

 

 

Ajuda-me a tratar, meu Bom Jesus,

 

Aquela a quem aos filhos quer tão bem

 

E que arrasta, p'la Vida a sua Cruz.

 

 

 

Para a amar bastaria um só segundo,

 

Mas para o que merece a minha mãe

 

Não chega todo o tempo que há no mundo!

 

Clarisse /1996 (Dia da Mãe)                                 

link do postPor canticosdabeira, às 19:05  comentar

 

 

 

                         Amor de Mãe quem tiver

 

                         Guarde-o sempre muito bem;

 

                         -Não há amor de mulher

 

                         Igual ao amor de mãe!

 

                               (Francisco dos Santos)

 

 

                              flores animadas

 

 

            VIVA NA SAUDADE

 

 

 Ai, mãe, se do Céu vês, estou aqui

 

 Deitada e ocupando o meu lugar,

 

 Onde sempre fiquei, ao pé de ti,

 

 Para a qualquer instante te ajudar.

 

 

 

 Ai, mãe, custa-me a crer que te perdi

 

 E que jamais podemos conversar.

 

 Olhando o teu retrato, que sorri,

 

 Julgo ver-te a meu lado a descansar!

 

 

 

 Falo contigo como antigamente

 

 Contando os meus segredos. com verdade,

 

 Pois és ainda a minha confidente...

 

 

 

 Eu sei que já estás na Eternidade,

 

 Mas continuas, mãe, aqui presente

 

 Pois vives no meu peito e na Saudade!

 

Clarisse- Março 1998

link do postPor canticosdabeira, às 19:00  comentar

 

 

                       Puz na tua campa, oh! Mãe,

 

                           Uma saudade e uma rosa;

 

                           Se a rosa já cor não tem!...

 

                           A saudade está viçosa!...

 

                                         (Elisa Maçanita)

 

         

 

                      ALMA LIBERTA

 

Ao partires daqui do teu quartinho,

 

Deus queira, mãe, que de alma já liberta,

 

Não pisasses espinhos p'lo caminho

 

E encontrasses no Céu a porta aberta!

 

 

 

Calculo que assim fosse! E adivinho

 

Que a família, no Céu, estivesse alerta

 

Retribuindo o Amor e o Carinho

 

Que na Terra lhe deste em hora certa.

 

 

 

A Judite sonhou ver-te chegar

 

E três Anjos vieram - te abraçar

 

Um dêles que ela nunca conheceu.

 

 

 

Gostou! porém sofreu um grande susto

 

Porque viu a Gracinha e o Augusto

 

A darem-lhe beijinhos lá no Céu!...

 

 

Clarisse 1998

link do postPor canticosdabeira, às 18:30  comentar

 

 

                           Ò minha Mãe, santa Mãe,

 

                      Pensar perder-te me assusta:

 

                      Tristezas que a vida tem...

 

                      Verdades que à gente custa! 

 

                     (Florinda Botelho de Almeida)

 

 

                                                              

 NOVENTA E CINCO ROSAS

 

 

Como o sol que se enconde lentamente,

 

Procurando o refúgio de algum monte...

 

E desmaia beijando o horizonte,

 

Assim desmaias, mãe, serenamente!

 

 

 

És o sol a esvair-se no poente

 

E quase que a chegar ao fim da "ponte"...

 

E  eu olho para ti... beijo-te a fronte...

 

E receio que a passes de repente!

 

 

 

P'lo muito que me deste e recebi,

 

Noventa e cinco rosas para ti

 

Te trago com Amor e Gratidão.

 

 

 

Tu deste-me este Sol que me enternece,

 

Que embora no poente, inda me aquece

 

E brilha no meu triste coração!

 

Clarisse 

link do postPor canticosdabeira, às 18:20  comentar

 

 

 

                                 Mocther, mãe ou madrecita

 

                          Dizem o mesmo. no fundo...

 

                          Há palavra mais bonita

 

                          Em qualquer língua do mundo?

 

                             (Palma Rodrigues)

 

 

                  flores azules animadas

                                     

 

                 ANSEIO DE VOAR

 

 

Domingo do Senhor! Manhã cinzenta!

 

Um dia que não queria recordar!...

 

Dezoito de Janeiro... Que tormenta

 

Neste dia pairou no nosso Lar!

 

 

 

Embora, como sempre, muita atenta

 

Às tuas repetidas faltas de ar,

 

A crise ressurgiu, mais violenta,

 

E nada consegui p'ra te salvar.

 

 

 

Ver-te partir, assim, para o Além,

 

Foi para mim terrível, minha mãe,

 

Que já nem tenho olhos p'ra chorar...

 

 

 

Metada da minha alma já voou!

 

Só a outra metade aqui ficou,

 

Sem asas... mas desejos de voar!

 

Clarisse Janeiro 1998

link do postPor canticosdabeira, às 18:10  comentar

 

 

                                 Pode ser mulher perdida

 

                          Ou não ser coisa nenhuma...

 

                          Que mesmo assim, neste dia,

 

                          Mãe, afinal, há só uma!

 

                      (Maria Amélia Brandão de Azevedo)

 

  

                  FLORES PARA TI--SOFIA       

 

 

                CHORÁMOS AS DUAS

 

 

Foi tão duro p'ra ti, querida mãezinha,

 

Ver sofrer, tanto tempo, um filho amado;

 

E vê-lo cada vez mais consternado

 

Já quase à beira-morte... e tu velhinha!...

 

 

 

Sequei-te o pranto, mãe, quand' ele vinha

 

E chorámos as duas lado a lado

 

Teu filho - e meu irmão- tão recordado...

 

Partiu antes de ti, qual andorinha...

 

 

 

Sobreviveste centro e trinta dias

 

E eu, que perdi sorrisos  e alegrias,

 

Já nem sinto na escrita inspiração...

 

 

 

Deus vos envolva no seu doce colo

 

E me traga saudades por consolo

 

E amor para cumprir minha missão!

 

 

 Clarisse Fev. 1998

link do postPor canticosdabeira, às 18:05  comentar

 
mais sobre mim
Julho 2012
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


arquivos
2012

2011

2010

2009

links
capas dos livros

CLIQUE PARA LER
Clique para ler


Clique para ler


Clique para ler


Clique para ler
subscrever feeds
blogs SAPO